• Silvia Celani

Comunicação de sucesso em tempos de mudança

Dra. Mara Behlau, doutora em Distúrbios da Comunicação Humana, fez a palestra de abertura da segunda edição do Projeto Saber Imobiliário realizado pelo Sistema Cofeci Creci. No artigo abaixo o presidente João Teodoro apresenta os principais pontos abordados.


[05/2021] O ser humano comunica-se, desde o nascimento, por meio do choro, em frequência de 240 Hertz. A dor e o prazer manifestam-se em frequências diferentes, logo percebidas pela mãe. A comunicação profissional, no entanto, exige dosagem e estrutura. Movimentos, tom de voz, pausa, olhar, expressão facial, tudo é comunicação. Diante da importância de se compreender como utilizar estas habilidades em tempos de mudança como o que vivemos hoje, o Sistema Cofeci Creci convidou duas especialistas neste assunto para a abertura do projeto Saber Imobiliário, no dia 03 de maio.


Com base na neurociência, Dra. Mara Behlau, doutora em Distúrbios da Comunicação Humana, especializada em Neurociência da Liderança e consultora em processos de comunicação, liderança e desenvolvimento de carreira e Marisa Barbara, consultora em Desenvolvimento Humano, apresentaram dez interessantes dicas para a comunicação de sucesso.


1. É impossível não se comunicar. A comunicação é ferramenta da sobrevivência, e todos podem ser comunicadores. Quem não o é por natureza, pode ser treinado para sê-lo.


2. Nosso cérebro é social. O cérebro é formatado para trabalhar em rede. O tempo todo captamos e enviamos informações por meio dele. Somos seres superiores graças ao cérebro. A sobrevivência depende da comunicação, mas é preciso dosá-la. O mau comunicador afasta interlocutores.


3. O poder da comunicação. Frases curtas, como “eu te amo”, mesmo ditas a distância ou escritas, causam forte impacto. Alteram o batimento cardíaco, a respiração e até o metabolismo do receptor da mensagem. O odor, expressão corporal, sons vocais, toque, olhar, tudo comunica. Só os humanos usam palavras. É uma imensa vantagem. Mas a comunicação eficiente depende das palavras certas.

4. Consciência na comunicação. Seja consciente ao escutar e falar. Escutar com consciência é escutar além das palavras. O bom comunicador é, sobretudo, bom ouvinte. A mensagem recebida, verbal, escrita ou gestual, é imediatamente processada pelo cérebro.


5. A comunicação pode ser comprometida por ruídos. Ruídos externos são os que podemos ouvir, num canteiro de obras, por exemplo. Os internos podem ser a experiência de vida, a cultura, a emoção, o humor, o interesse, os vieses, os boatos; tudo influencia a comunicação. É importante prestar atenção ao que se ouve. Atitudes corretas dependem disso.


6. Extrovertido x introvertido. Pessoas extrovertidas comunicam muito rápido. O interlocutor não consegue processar. Prejudica negociação. O introvertido, ao contrário, em geral é ótimo observador e pensa antes de falar. A comunicação lenta, entretanto, pode estressar o interlocutor e atrapalhar o negócio. O melhor é combinar as duas. O ideal é ser ambivertido.


7. Foco, contexto e interlocutores. Bom comunicador é bom ouvinte. Ao falar é preciso focar no que é mais importante. Selecionar o texto de acordo com o contexto do interlocutor é fundamental.


8. Seja assertivo. Ser elegante e educado é muito bom, mas ir direto ao ponto é indispensável. Evitar divagações. Em comunicação, prolixo é sinônimo de “para o lixo”. Excesso de informação confunde. Informar só o essencial. Quem deve dosar a informação é o receptor, não o informante.


9. Canal de comunicação adequado. Canais ricos manejam diversas saídas de informações: palavras, tom de voz, expressão facial. Entretanto o melhor canal é o presencial. Os canais pobres oferecem apenas uma ou duas saídas. Mensagens de pouca importância podem ser passadas por meio de canais pobres. Porém mensagens mais complexas precisam de canais ricos.


10. Empatia na diversidade. Empatia é a capacidade de colocar-se no lugar do interlocutor para melhor compreendê-lo. No mundo atual, quem vende tem de saber lidar com tanta diversidade: religiosa, racial, sexual, de cor... Para isso, tem de ser necessariamente empático!


Sobre João Teodoro:

Nascido na cidade de Sertanópolis, no Estado do Paraná, João Teodoro da Silva iniciou a carreira de corretor de imóveis em 1972. Ele é empresário no mercado da construção civil em Curitiba (PR). Graduado em Direito e Ciências Matemáticas, foi professor de Matemática, Física e Desenho na PUC/PR. É técnico em Edificações e em Processamento de Dados e possui diversos cursos de extensão universitária pela Fundação Getúlio Vargas. Foi presidente do Creci-PR por três mandatos consecutivos, presidente do Sindicato dos Corretores de Imóveis do Paraná de 1984 a 1986 e diretor da Federação do Comércio do Paraná. No Cofeci, atua desde 1991, quando passou a exercer o cargo de conselheiro federal, e é presidente desde 2000.