Preço do m² mais baixo deve atrair novos investidores

Metro 2O mercado imobiliário está em constante mutação. Ora pelo número de empreendimentos anunciados ou lançados, ora pelos preços praticados, que acabam alavancando os negócios ou baixando a formalização de novos contratos. Nesse mercado pode-se dizer que Alphaville novamente está no foco.

 


Isso porque, pesquisa divulgada nesta semana pela Dworking Consultoria Imobiliária mostra que o bairro é uma alternativa aos bairros nobres da capital. A preferência se dá porque Alphaville dispõe de espaços nobres, classificados como A e A+, com preços até 50% mais baixos que os praticados em São Paulo.

“Isso não é desmérito. Ao contrário. O mercado sofre oscilações constantes até que haja a estabilização dos preços e Alphaville vivencia esse momento”, explica Mariana Menon, gerente de Pesquisas da Dworking.

De acordo com ela, enquanto em regiões como Faria Lima e Berrini, os preços de locação do metro quadrado oscilam entre R$ 105 a R$ 170, em Alpha, imóveis nos mesmos padrões são encontrados entre R$ 48,94 a R$ 60. “É preciso ressaltar que não é apenas o preço que é decisivo para o investidor. Ele também considera a infraestrutura, a qualidade de vida e segurança, áreas nas quais Alphaville se destaca”, diz.

Mariana diz ainda que, na capital, também houve uma estabilização dos preços. “Na Faria Lima, no último trimestre de 2011, os preços atingiram R$ 200. Agora, a exemplo de Alphaville, estabilizam, porque houve demanda e, consequentemente, o lançamento de empreendimentos. Essas ofertas ajudam a balizar o mercado e estabilizar os valores”, explica.

Mas é bom que fique claro que a tendência não é permanecer com a estabilização. Com a chegada de novos empreendimentos e lançamentos de outros, o mercado volta a sofrer nova mutação.

Em ritmo crescente, Alphaville já possui um estoque de mais de 596.000 m² de áreas corporativas, sendo que 65% deste inventário é de alto padrão, classificados como A+ ou A pela Dworking.

A pesquisa mostra que, no primeiro trimestre de 2012, o preço médio de locação para o segmento de alto padrão se estabeleceu em R$ 60, valor 50% menor que os preços médios pedidos em São Paulo.

A vacância, que em Alphaville já atingiu alguns picos de alta, atualmente é de 2,8%, considerando todo estoque existente. No segmento A+ e A este índice atinge 3,5%, principalmente pelos novos empreendimentos entregues recentemente.

Seguindo o ritmo de São Paulo, Alphaville também tem um estoque expressivo em construção. São aproximadamente 464.000 m² entre construção e projetos. Até 2015, a previsão é de que mais de 310.000 m² sejam entregues. Um crescimento projetado de 51% em relação ao atual estoque.

Mariana ressalta que, pela proximidade com São Paulo, Alphaville já faz parte da região de interesse de várias empresas e deve manter explorado este interesse, ganhando cada vez mais destaque no mercado corporativo paulistano.

É bom lembrar que no ano passado, o metro quadrado corporativo em Alphaville chegou à casa do R$ 90. A alta, à época, foi provocada pela baixa oferta e alta procura.

Normalmente, a tendência do mercado corporativo se estende para os imóveis residenciais. “É natural que haja demanda dos dois lados, porque com a vinda de empresas, os executivos também procuram moradia nas proximidades e isso movimenta os dois mercados”, explica o consultor imobiliário Inácio Menezes.

Menezes também ressalta que Alphaville sai na frente também nesse quesito, porque a qualidade de vida nos condomínios fechados é incomparável. “Todos querem segurança e qualidade de vida, com facilidade aos serviços, como supermercados, farmácias, escolas e rede de saúde e Alphaville oferece tudo isso”, diz.

Também é preciso lembrar que Barueri adotou a política da baixa tributação, que também é um excelente atrativo para investidores, principalmente empresas. Aliás, foi a política de baixa tributação que elevou a cidade entre as que reúnem o maior número de empresas e oferecem o maior número de vagas.

 

Fonte: http://folhadealphaville.uol.com.br/artigo/?id=14468